quinta-feira, junho 23, 2022
HomeEmpreendedores11 MÉTODOS PRINCIPAIS PARA PRIORIZAR RECURSOS PARA SEU MVP

11 MÉTODOS PRINCIPAIS PARA PRIORIZAR RECURSOS PARA SEU MVP

De acordo com estatísticas recentes da Embroker, seguradora de negócios norte-americana, quase 90% das startups são malsucedidas. Pesquisando sobre as causas desse triste fenômeno, descobrimos um dado intrigante: 42% dos novos empreendimentos nunca decolam porque interpretam mal a necessidade do mercado.

Por esse motivo, estimar a demanda do cliente é algo que as empresas devem fazer desde o início, a partir da priorização dos recursos do MVP e da obtenção de uma prova de conceito qualificada. Essas decisões têm influência crucial no sucesso dos esforços dos empreendedores.

Se você é novo no desenvolvimento de software, deve estar se perguntando sobre o que é um MVP e o porquê de precisarmos priorizar seus recursos, então, continue lendo para saber mais!

Entenda como priorizar recursos para o seu MVP
Entenda como priorizar recursos para o seu MVP

Um MVP (Produto Mínimo Viável) é uma versão bruta e incompleta de um produto, desenvolvida para testar sua aceitação no mercado e receber financiamento de investidores. Criar um MVP e testá-lo primeiro economiza muito custo e esforço para as empresas. Se o seu produto receber críticas positivas, o grupo de foco da prova de conceito pode se tornar um dos primeiros a adotá-lo.

E já que é impossível colocar todas as funcionalidades do produto em um MVP, é necessário selecionar o conjunto de recursos que será apresentado ao mercado. Devemos priorizar esses recursos no MVP mostrando seus diferenciais e razões únicas para usá-lo, destacando-o dos concorrentes e produzindo a impressão certa nos clientes e interessados. 

Entenda as vantagens que você ganha ao tratar com importância a priorização de recursos no seu MVP

Comprovação da originalidade do seu produto 

Provavelmente, um produto como o seu já existe, então você pode acabar criando uma cópia exata. Ao priorizar os recursos do seu MVP, você será incitado a estudar seus pontos fortes e fracos, além de ter que analisar seus concorrentes – diretos e indiretos – para impedir que eles tomem uma parcela de seus clientes em potencial. 

Durante seu estudo, pergunte-se: o que torna o meu produto único para o meu público? Quais são as funções exclusivas que nenhum aplicativo no mercado executa? Responda ssas questões e terá um bom direcionamento para escolher as funcionalidades que serão apresentadas no MVP.  

Identificação refinada do perfil do seu usuário

Refletir sobre o que leva seus clientes a escolherem a sua solução entre outras opções é parte do processo de definição do conjunto de recursos para o seu MVP. Para atingir esse objetivo, você deve conhecer e identificar o seu público tão bem ao ponto de poder criar personas de usuário distintas entre si. Lembre-se também que sempre faz sentido considerar as necessidades de seus clientes ao priorizar um recurso em detrimento de outro.

Garantia da utilidade da sua solução

Para estar em alta demanda, sua solução de software deve melhorar a vida dos usuários, ajudando-os a resolver seus problemas, que podem ser cotidianos, comuns e diários. O procedimento de priorização de recursos do MVP irá te auxiliar a entender os pontos fracos de seus clientes, possibilitando que você mude sua oferta de acordo com a demanda do seu público. 

Ganho de vantagem sobre a concorrência

A correta priorização de recursos pode realmente ajudar a ultrapassar seus concorrentes e atrair os primeiros usuários. O ambiente de negócios atual é altamente competitivo, portanto, o lançamento antecipado dará ao seu produto uma vantagem competitiva inconfundível. 

Ajuda na definição do cronograma e orçamento de desenvolvimento do seu  produto

A introdução de alguns recursos pode levar mais tempo do que outros, o que afetará as taxas de desenvolvedor por hora. Saber quais recursos priorizar em seu aplicativo permitirá que você defina o cronograma de seu projeto e calcule o orçamento de desenvolvimento.

Principais métodos para a priorização de recursos do MVP
Principais métodos para a priorização de recursos do MVP

Agora que você já entendeu porque priorizar os recursos do MVP é essencial para o sucesso do seu produto, vamos te mostrar os principais métodos para realizar essa tarefa!

1. Matriz de prioridade de recursos

Esta ferramenta simples ajuda você a imaginar quais recursos priorizar em seu aplicativo. A matriz tem dois eixos, e os fatores ao longo dos quais os recursos são avaliados incluem

  • Esforço – quanto de recursos a implementação deste recurso aparece.
  • Impacto – quão valioso é para seus clientes e quão impactante é de uma perspectiva de negócios.
  • Risco – o quão potencialmente difícil será implementar esse recurso.

Em seguida, coloque seus recursos MVP em 4 categorias:

  • Deve Ter (Must-Have) – as funções absolutamente necessárias e de baixo risco.
  • Pode Ser Feito (Can-be-done) – aqueles não tão impactantes que podem ser introduzidos nas versões posteriores do MVP.
  • Pode ter (Nice-to-have) – não é particularmente impactante, mas essas características diferenciam seu produto dos outros. Os custos e riscos de seu desenvolvimento, entretanto, os tornam impróprios para um MVP, então eles devem ser incluídos na próxima versão.
  • Perda de Tempo (Waste of Time) – recursos de alto risco e baixo impacto.
Matriz de prioridade de recursos para MVP
Matriz de prioridade de recursos para MVP

Certamente, após o primeiro lançamento do MVP, quando você obtém as análises dos usuários, pode reconsiderar os recursos e colocá-los em categorias diferentes.

2. Buckets – ou baldes – de recursos

Esta é outra técnica de categorização usada por desenvolvedores que procuram como priorizar recursos de software. As categorias são chamadas de ‘baldes’ e os recursos são divididos em três tipos principais:

  • Solicitações do cliente – as funções que os usuários estavam solicitando especificamente, por exemplo, uma opção de gravação em um aplicativo de bate-papo por vídeo.
  • Movimentadores de métricas – esses recursos irão aprimorar as métricas do seu aplicativo, como engajamento do usuário, satisfação do cliente e receita. Este balde conterá os recursos mais valiosos, portanto, deve ser preenchido corretamente.
  • Delícias – recursos menores, mas atraentes, como adesivos exclusivos ou emojis.
Buckets de recursos
Buckets de recursos

3. Matriz MosCoW

Este modelo também é frequentemente usado para priorizar recursos para um MVP. Assim como os modelos acima, ele divide os recursos do produto em subcategorias lógicas:

  • Deve ter (Must Have). Essas são as principais características do seu produto que, basicamente, o tornam viável. Sem esses recursos, seu aplicativo não funcionaria ou a ausência deles comprometeria sua segurança.
  • Deveria ter (Should Have). Funções menos críticas, mas ainda assim muito importantes. Seu MVP funcionará sem eles, mas ainda assim, você não gostaria de deixá-los de fora.
  • Poderia ter (Could Have). Esses são os pequenos complementos fofos que dão ao seu MVP uma personalidade distinta; no entanto, sua versão inicial do produto poderia facilmente passar sem eles.
  • Não dessa vez (Won’t Have). Esses são os recursos que você tem certeza absoluta de que não aparecerão na sua versão do MVP, mas você planeja implementá-los na versão final do seu aplicativo.
Matriz MosCoW
Matriz MosCoW

4. Modelo Kano

A abordagem orientada ao usuário para priorizar os recursos do produto em um MVP. Os atributos que define para definir a lista de recursos MVP incluem

  • Limite  – recursos que garantem a operabilidade do seu aplicativo e são os mais esperados pelos usuários.
  • Desempenho – esses recursos não são obrigatórios, mas irão aprimorar substancialmente a experiência do usuário.
  • Excitação – recursos que os usuários não esperam, com o objetivo de gerar entusiasmo.

Para aplicar este modelo, você precisará realizar pesquisas com clientes e algumas outras análises. As descobertas permitirão que você aplique o modelo Kano e priorize os recursos de seu MVP. Certifique-se de implementar todas as funcionalidades de limite necessárias, bem como alguns dos recursos de desempenho e entusiasmo. Exclua os fatores que evocam insatisfação e indiferença.

Modelo Kano
Modelo Kano

5. Priorização de ponderação relativa

Essa técnica usa a combinação dos dois métodos anteriores para definir o valor de cada recurso MVP específico. O valor é calculado numericamente, de forma que a equipe de desenvolvimento obtenha uma compreensão exata  e instantânea de como cada recurso é importante.

Esse método também leva em consideração o impacto negativo de não implementar um determinado recurso. Mais especificamente, os fatores considerados incluem

  • Benefício – as vantagens que a implementação desse recurso traria.
  • Penalidade – as implicações negativas de não implementá-la.
  • Custo – quanto custará para desenvolver esse recurso.
  • Risco – desafios potenciais que seu desenvolvimento pode acarretar.

A fórmula é: (pontuação de penalidade + pontuação de benefício) / (pontuação de risco + pontuação de custo) para calcular o valor dos recursos. Cada recurso recebe uma pontuação de 1 a 9. A aplicação desse método, no entanto, requer a entrada ativa de um cliente e de uma equipe de desenvolvimento.

6. Atribuição numérica (também conhecida como agrupamento)

Essa técnica divide os recursos em categorias com base em sua importância. Os recursos podem ter prioridade alta, moderada e baixa, e um valor numérico é atribuído a cada categoria.

Por exemplo, o número 1 será atribuído aos recursos de alto valor, o número dois – aos recursos com valor moderado e o número 3 – aos recursos de menor importância.

7. Método de classificação por bolha

Este método pressupõe comparar funcionalidades e decidir quais têm a maior prioridade. Para isso, as características são escritas e comparadas aos pares. O processo é repetido; finalmente, os recursos de maior impacto são colocados no topo da lista, como bolhas em um refrigerante.

Método de classificação por bolha
Método de classificação por bolha

8. Esforço e impacto

Essa técnica analisa as prioridades dos recursos avaliando o valor e a complexidade de cada recurso. Os recursos são avaliados definindo a correlação entre o quão desafiador será implementá-los e o valor que eles devem trazer.

Os desafios são divididos em complexidades de desenvolvimento, riscos e despesas financeiras, e o valor é estimado a partir da perspectiva do cliente e do negócio.

Após a avaliação, os recursos são colocados nas seguintes categorias de acordo com suas prioridades:

  • Vitórias rápidas,
  • grandes projetos,
  • preenchimentos,
  • reconsiderar.
Priorização de esforço e impacto
Priorização de Esforço e impacto

9. Pontuação de oportunidade

Este é um método interativo, que envolve entrar em contato com seus usuários em potencial e perguntar a eles quais recursos eles gostariam de ver em seu aplicativo. Em seguida, os usuários são solicitados a avaliar como eles gostam da funcionalidade semelhante em alguns dos aplicativos já existentes que eles usam. Depois de conduzir esta pesquisa, você receberá a lista de funcionalidades de alto e baixo impacto e poderá priorizá-las.

10. Técnica de lancha

Esta é uma técnica colaborativa, que usa uma metáfora de barco: os membros da equipe de desenvolvimento visualizam seu projeto como um barco que estão navegando coletivamente por um mar turbulento. O ‘barco’ é direcionado para uma ‘ilha’, ou seja, um lançamento MVP, e as características são vistas como potenciais ‘âncoras’ que podem atrapalhar a viagem, ou ‘vento nas velas’ que podem impulsioná-lo para o sucesso. Este método requer brainstorming e feedback.

11. Mapeamento da história do usuário

Esta é uma das técnicas mais populares usadas para categorizar recursos para o seu MVP. É também um dos mais eficientes porque envolve todos os stakeholders do produto. Para definir os recursos de prioridade mais alta e mais baixa, eles tentam imaginar como seus supostos usuários irão navegar em seu aplicativo.

Eles começam definindo os objetivos do usuário, por exemplo, reservar um hotel em um aplicativo turístico. Esta ação é então dividida em sub etapas: escolher o hotel certo, enviar detalhes do usuário, solicitar uma transferência, ou seja, cada uma dessas etapas é então escrita como uma história de usuário: “Como um usuário (tipo de usuário), eu quero (etapa), de modo que (valor)”.

Depois de fazer isso, a equipe mapeia as histórias do usuário de acordo com seus objetivos e sua importância. Este método ajuda a identificar quais recursos do produto são melhor incluídos no MVP e quais no próximo lançamento do produto.

Mapeamento da história do usuário
Mapeamento da história do usuário

Ansioso para colocar esses métodos em prática? Mas antes, um conselho final:

As várias opções de técnicas podem te deixar confuso, mas você não precisa aplicar todas elas para ser eficiente. Independentemente do método que você escolher, faça de seus usuários finais uma prioridade – afinal, a aceitação deles definirá seu sucesso MVP. Certifique-se de que sua avaliação dos recursos do MVP não seja unilateral e inclua pessoas diferentes em sua equipe de descoberta de produtos para fornecer a você uma visão mais ampla.

Sabemos que realizar tarefas como essa pode ser bastante complicado, e que no meio do caminho você ainda pode ficar com muitas dúvidas. Por isso, a SoftWrap tem uma equipe de especialistas pronta para te ajudar com qualquer questão sobre seu software. Entre em contato conosco agora para uma consultoria gratuita!

Anúnciospot_img
Jilvan Pinheirohttps://www.linkedin.com/in/jilvanpinheiro/
Senior Partner do Grupo Rocket (SoftWrap, UXP e outras empresas). Cursou Economia da Inovação em Harvard, mestrando em Finanças pela FEA-USP, formado em Ciências Físicas e Biomoleculares pela USP.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -

Populares

Comentários Recentes